Bom de Copo: Água de beber

Hoje são muitas as questões envolvendo esse líquido fundamental para a saúde e o bem-estar

Vale lembrar que a água é incolor, inodora e insípida em sua fórmula mais pura, H2O, enquanto a água mineral natural vai ter uma leveza e um sabor característicos diretamente proporcionais à quantidade de sais minerais existentes em sua composição. Tecnicamente uma água é considerada leve quando em sua composição química o teor de carbonato de cálcio é menor que 100 mg/L. Quanto ao aroma, ele se relaciona ao tipo de solo e rocha que a água mineral natural percorre até a formação de sua jazida.

Águas minerais naturais oriundas de rochas de relevo cárstico possuem aromas alcalinos e terrosos, enquanto águas carbogasosas naturais exalam, em geral, um aroma levemente trufado. A grande maioria das reservas de águas minerais naturais no Brasil é classificada como oligomineral e tecnicamente é inodora.

E por que a água mineral é mais indicada para beber do que a água de torneira ou filtrada? Por sua qualidade. A legislação de parâmetros de qualidade nacional e internacional aplicados à água mineral natural é muitíssimo exigente, e vai além dos critérios exigidos para a água de torneira e filtros.

A água mineral natural nada mais é que uma água pura, sem adição de produtos químicos e/ou físicos, 100% natural e livre de quaisquer tipos de contaminantes. Vale dizer ainda que, em sua grande maioria, a água de torneira é procedente de mananciais de águas superficiais que, infelizmente, acabam recebendo vários tipos de contaminantes.

Essa água recebe também a adição de sulfato de alumínio, desinfetantes, redutores e inibidores de corrosão, algicidas, entre outras substâncias indesejáveis para a saúde. Os filtros não conseguem reter essas matérias 100%; outros agravantes são as tubulações que transportam a água da unidade de tratamento às residências, e que geralmente não têm manutenção adequada.

Como escolher a água?

Antes de mais nada, é importante ler a composição físico-química no rótulo e observar cada elemento existente. Hipertensos, por exemplo, devem consumir uma água mineral natural com o teor de sódio menor que 5 mg/L.

Quem tem intestino preguiçoso pode optar por uma água com teor de magnésio de no mínimo 15 mg/L. Às pessoas com problemas digestivos, a literatura recomenda ingerir água mineral natural com no mínimo 120 mg/L de bicarbonato, enquanto as carbogasosas naturais ou gaseificadas artificialmente também auxiliam no processo digestivo.

Uma pessoa de 60 kg em média deve beber diariamente dois litros de água – de preferência um copo em jejum e outro antes de dormir, e o restante ao longo do dia. Na harmonização com outras bebidas e pratos, a variação também pode ser grande. A tendência é recomendar uma água mineral natural oligomineral para ser consumida junto a bebidas destiladas de alto teor alcoólico.

802
VISUALIZAÇÕES