Deslumbrante, Praga estende seu belo patrimônio para o mundo

Vista do rio Moldava e suas maravilhosas pontes

“Praga não nos deixa fugir. A nenhum de nós. Esta mãezinha tem garras…”, sublinhou o escritor Franz Kafka em carta ao amigo e historiador Oskar Pollak. Filho ilustre dessa metrópole, Kafka já se deixava seduzir pela “cidade das cem cúpulas”, um dos lugares mais belos do mundo. E um dos mais românticos também.

Andar pelas ruas, vielas, praças e pontes de Praga é como entrar em um conto de fadas. Não é exagero dizer que esta cidade construída nas margens do rio Moldava, sobrevivente das duas grandes guerras mundiais, é encantadora e também encantada. Quem se depara, a partir do incrível Castelo de Praga, com aquele verdadeiro mar de telhados vermelhos do bairro Malá Strana, consegue realmente voltar no tempo.

O clima mágico aparece em um simples passeio pela Cidade Velha, onde se encontra com o relógio astronômico, símbolo da cidade, ou ainda pelas ruas entremeadas de castelos, palácios e catedrais, onde também sobressaem charmosos cafés, restaurantes, bares e galerias de arte. No meio de tudo isso, uma trilha sonora de primeira. Músicos de diversas nacionalidades dão canja nas ruas, nas bibliotecas, nos palácios e nas igrejas.

Praga é uma cidade musical, onde figuras como Mozart e Mahler criaram algumas de suas obras-primas. A ópera “Don Giovanni”, de Mozart, estreou em 1787 no Teatro Stavovsk, um dos muitos palcos da cidade. Por isso, um dos eventos musicais mais famosos do mundo é o Festival Internacional Primavera de Praga, que existe há mais de setenta anos e acontece entre os dias 12 de maio e 3 de junho, reunindo orquestras, grupos e artistas internacionais. Neste ano, o festival será ainda mais grandioso, uma vez que a República Tcheca comemora cem anos da fundação do estado independente da Tchecoslováquia e está programando vários eventos festivos por todo o país.

O Castelo de Praga, semelhante aos de contos de fadas

Morada de diversos reis e imperadores ao longo dos séculos, Praga mistura referências romanas, góticas e barrocas em seu acervo histórico e arquitetônico. São muitos lugares imperdíveis e, como já pressentiu Kafka, o desejo é permanecer ali, esticar a viagem o máximo possível, descobrindo preciosidades.

Um exemplo é a própria casa onde o escritor nasceu, no bairro judeu, onde há registros e documentos sobre a vida dele. Fica na Cidade Velha, ao lado da igreja de Saint Nicholas, outra parada interessante. A livraria Kafka Bookstore traz ótimas referências literárias e o Café Louvre, ponto de encontro de Kafka e de celebridades como o físico alemão Albert Einstein – quando ele morou em Praga, entre 1911 e 1912, – propõe um mergulho no passado. O café foi fundado em 1902 e teve suas portas fechadas pelo regime comunista em 1948, renascendo das cinzas em 1992, com um astral requintado e intimista. Perfeito para um bolo no final de tarde ou um almoço recheado de especialidades tchecas.

Vale programar também uma visita mais demorada ao bairro judeu, Josefov – a comunidade judaica de Praga foi uma das mais importantes da Europa e se agrupou no entorno da Cidade Velha desde o século 18. Seis sinagogas, um museu, um cemitério e uma prefeitura mostram a conturbada história da comunidade, em diversos períodos de perseguição e discriminação.

Perto, o Museu do Comunismo revive em fotos e vídeos as cenas da Primavera de Praga, em 1968, e a invasão de tanques soviéticos. A cerca de trezentos metros do museu, a Praça Venceslau é o berço da história da República Tcheca moderna. Foi ali que irrompeu a manifestação contra a brutalidade policial que deu início à Revolução do Veludo, que derrubou o regime comunista em 1989.

A incrível vista dos telhados vermelhos de Malá Strana

Esta praça, que na verdade é uma grande avenida, também abriga o Museu Nacional de Praga, o mais importante da capital tcheca, que merece uma visita. A passagem entre a Cidade Nova e a Cidade Velha se faz por caminhos repletos de bons restaurantes, lojas e hotéis. Voltar ao coração histórico da cidade é poder esquadrinhar à vontade esse miolo repleto de preciosidades neo-renascentistas, barrocas e rococós, como o Palácio Kinský e a Igreja de Nossa Senhora de Týn.

A Praça da Cidade Velha é marcada pelo Relógio Astronômico, considerado o relógio medieval mais famoso do mundo – além de marcar as horas, ele aponta vários detalhes celestes e a cada hora mostra a procissão dos doze apóstolos.

Depois de participar desse espetáculo a céu aberto, atravesse caminhando uma ponte pra lá de romântica, a Ponte Carlos, decorada com trinta estátuas barrocas de figuras religiosas. Há alguns anos essa ponte sobre o rio Moldava, encomendada pelo rei Charles IV em 1357, é cenário de casamentos de turistas. Um lugar lindo, símbolo da união.

O apetite, a essa altura, está a mil? Também, com tanta caminhada… No país que se auto intitula o maior consumidor de cerveja do mundo você irá encontrar cervejas deliciosas para acompanhar pratos típicos. A cozinha tcheca é conhecida pela variedades de molhos com carne de porco, como o goulash, pratos com massa cozida, aves assadas, peixes de água doce e bolos de massa fermentada. Alguns restaurantes tradicionais são o Mlýnec, o Malostranská beseda, o Potrefená husa e o Hergertova Cihelna – este último oferece uma vista maravilhosa da Ponte Carlos e da Cidade Velha.

Já a cerveja pode ser degustada em cervejarias como a U Fleků e a Pivovarský dům, que fica perto da Praça Venceslau. Para quem curte gastronomia de rua, as salsichas vendidas em barracas são um hit, bem como o Ceske Trdlo, pão coberto de açúcar e canela vendido em feiras ao ar livre. Como se vê, as emoções de Praga despertam e nutrem os cinco sentidos.

110
VISUALIZAÇÕES