Novas plataformas digitais chegam ao Brasil, abrindo o leque de ofertas

Estamos vivendo a era do streaming. Assistir a filmes e séries é um hábito “on demand” (quando e onde quiser), já que ir a uma locadora não é mais possível e os cinemas começam a perder faturamento para as plataformas digitais.

A Netflix é o serviço mais popular no mercado e virou referência no ramo, com faturamento de US$ 5,2 bilhões neste ano e um crescimento de 31% em comparação a 2018. Sendo uma tendência, várias outras chegam para disputar esse espaço no país, como Telecine Play, Disney Plus, Apple TV Plus, HBO Max e a brasileira GloboPlay.

Jennifer Aniston e Reese Whiterspoon, em “The Morning Show”. Foto: Divulgação

A Apple TV Plus aportou no país em novembro. O serviço disponibiliza filmes e séries de diferentes nacionalidades, além de apostar em obras originais. A série “The Morning Show”, estrelada por Jennifer Aniston, Reese Witherspoon e Steve Carell, é uma das principais produções próprias, ao lado de “See”, protagonizada pelo ator havaiano Jason Mamoa, conhecido pelo filme “Aquaman”.

Já a Disney pretende ganhar assinantes com o acervo de animações antigas e grandes produções que são recorde de bilheteria nos cinemas. Apostando em obras como “A Dama e o Vagabundo”, “Rei Leão”, “High School Musical” e séries derivadas de “Star Wars” e “Marvel”, a marca chega ao país no segundo semestre de 2020.

A nova plataforma da WarnerMedia, a HBO Max, fará sua estreia com 10 mil horas de conteúdo disponíveis para o público em maio de 2020 e lançará episódios semanais de suas séries originais. Serão mais de 1800 filmes, incluindo todos os longas da DC, como “Coringa”, recente sucesso das telonas. As temporadas das séries norte-americanas “Friends”, “Um Maluco no Pedaço” e “Pretty Little Liars” também já estão confirmadas.

“Madalorian”, série integrada no universo Star Wars, é uma das principais produções da Disney Plus. Foto: Divulgação

Seguindo o mesmo caminho da HBO, a Rede Telecine agora oferece serviço de streaming para os não assinantes de TV fechada. Os filmes premiados “Vice” e “Bohemian Rhapsody” estão no catálogo, além dos famosos “It: A Coisa” e “Mulher Maravilha”. A Telecine Play já está disponível no Brasil desde o mês passado.

E a Globo pretende disputar o mercado nacional com um investimento de R$ 1 bilhão na plataforma Globoplay – a expectativa do grupo é que o número de assinantes cresça 80% em 2020. O diferencial em relação a outras plataformas digitais estrangeiras são as novelas, que já estiveram na programação do canal na TV aberta, e contabilizam 81 títulos. O serviço ainda conta com filmes, documentários e séries internacionais exclusivas, como “Manifest”, “The Good Doctor” e “Killing Eve”, além das produções originais, como a nova temporada de “Sessão de Terapia”, dirigida e protagonizada por Selton Mello.

Fora da rota

Quem busca filmes antigos ou do circuito alternativo, pode agora encontrar boas opções nas plataformas não comerciais. A brasileira Tamanduá oferece longas independentes nacionais e do cinema autoral europeu. O catálogo inclui 1200 títulos e é possível alugar filmes específicos ou assinar planos mensais. Desde seu lançamento, em março de 2018, o número de usuários quadruplicou.

Home do Petra Belas Artes À La Carte

Em 2020, haverá estreia de conteúdos musicais como o documentário inédito “Gilberto Gil – Antologia Volume 1”, “Blitz – O Filme”, sobre a banda carioca dos anos 1980, e a série “101 Canções”, apresentada por Nelson Motta. Segundo o diretor do Tamanduá, Julio Worcman, estão previstos ainda os conteúdos na linha “edutainement” (mistura de educação com entretenimento), como animações para pré-escola e documentários para alunos dos níveis fundamental e médio.

Já a inglesa MUBI é especializada em cinema de arte internacional e oferece textos, comentários, curtas, documentários e making offs de produções menores. A plataforma tem parceria com a “World Cinema Foundation”, instituição especializada em reconstituir obras cinematográficas, e é dividida em três partes: um serviço de vídeo sob demanda, um banco de dados sobre filmes e a revista eletrônica “The Notebook”.

Para os filmes clássicos, o Petra Belas Artes À La Carte, no ar desde outubro deste ano, tem curadoria de André Sturm, fundador da distribuidora Pandora Filmes e programador do conjunto de salas do cinema Petra Belas Artes, em São Paulo. “A plataforma foi idealizada para que as pessoas possam assistir, sem dificuldade e de onde quer que estejam, a filmes clássicos e cult movies”, declara. Entre os diferenciais oferecidos, há categorias criativas como “cults incríveis”, “mulheres maravilhosas”, “hahaha”, “para roer as unhas”, “o que todo cinéfilo precisa ver antes de morrer” e “novo no cardápio”. Pela variedade de opções, vai ser difícil desgrudar os olhos das telas…

176
VISUALIZAÇÕES