Pinacoteca recebe exposições que evidenciam o caráter coletivo e engajado de artistas contemporâneos

Em cartaz na Pinacoteca de São Paulo até 28 de outubro, a exposição “Somos muit+s: experimentos sobre coletividade” propõe uma imersão no trabalho de artistas que consideram a pintura, a escultura e a arquitetura experiências coletivas e com impacto social. Com curadoria de Amanda Arantes, Fernanda Pitta e Jochen Volz, a mostra apresenta obras que investigam a prática artística como diálogo e exercício com o público. É o caso das produções do alemão Joseph Beuys e do brasileiro Hélio Oiticica, dois dos mais importantes artistas da segunda metade do século 20.

Intervenção artística na Pinacoteca

Intervenção artística do Coletivo Legítima Defesa e, no fundo, arte de Mônica Nador+JAMAC

Além deles, participam o artista tailandês Rirkrit Tiravanija, a cubana Tania Bruguera e os brasileiros Maurício Ianês, Vivian Caccuri, Mônica Nador e o Coletivo Legítima Defesa. Como eixo central da exposição, a curadoria apresenta um conjunto de obras de Beuys – incluindo vídeos, desenhos e colagens – com destaque para a instalação “Honigpumpeam Arbeitsplatz” (Bomba de mel no local de trabalho) do acervo do Louisiana Museum of Modern Art, da Dinamarca, que discute a criatividade, a economia e a democracia.

Também sobre o viés político na arte, a Pinacoteca recebe a mostra “León Ferrari na coleção da Pinacoteca”, aberta ao público a partir do dia 26 de outubro. A exposição reúne uma seleção de 50 obras do artista argentino, que expõe sua crítica às instituições de arte, aos sistemas políticos e à moral vigente nas décadas de 1960 e 1970. Essa é a primeira vez que a Pinacoteca exibe a coleção quase completa do artista falecido em 2013.

Pinacoteca

Praça da Luz, 2, Luz, tel. 3324-1000.

166
VISUALIZAÇÕES