Rádio Vozes: Música para ler!

Autobiografia de Ney Matogrosso, lançada em 2018

Férias para mim é o tempo em que me jogo em uma rede com uma pilha de livros ao lado. Leio de tudo. Os romances que foram recomendados o ano todo e que não tive tempo de ler, os best sellers, os clássicos e, claro, os de música.

Amo biografias e muitas delas fazem parte do meu material de trabalho cotidiano. Me alimento pelo que trazem de informação sobre os artistas que admiro. Muito raramente são vidas simples e, quase sempre, dão grandes livros. Vou fazer aqui uma listinha pequena de alguns que já li e recomendo.

Começo pelo poeta e grande compositor Leonard Cohen. “I’m Your Man” foi um dos maiores sucessos de 2016 e foi escrito depois de décadas de entrevistas e pesquisas feitas pela autora Sylvie Simmons. Um primor! Uma vida que daria um filme sensacional e a trilha sonora é matadora. Leia e ouça, vale a pena.

Um lançamento mais recente é “Ney Matogrosso – Vira Lata de Raça”, um livro de memórias assinado pelo próprio. Cheio de fotos, escrito em primeira pessoa, é um deleite para quem admira esse maravilhoso artista que nos encanta desde os anos 1970 com sua performance de palco, suas escolhas de repertório, sua voz e vitalidade maravilhosas. Saiu pela editora Tordesilhas.

Agora, se você gosta dos clássicos da canção norte-americana cantados por Ella Fitzgerald vai amar a biografia de Cole Porter. Essa eu li faz tempo, é um dos básicos de cabeceira. Que vida maluca e que compositor genial!

O livro foi lançado em 1998, eu li em 2001 em uma edição charmosa da Vintage Books. O autor é William McBrien. Uma das minhas passagens preferidas é a história de uma viagem pela França que ele fez com um grupo de amigos. Esse já deu até filme.

E temos aqui na lista uma indicação de crônicas de um dos maiores compositores de música romântica deste país, Antônio Maria: jornalista, compositor e boêmio inveterado. Autor de “Ninguém Me Ama”, por exemplo.

Nesse pequeno livro organizado por Joaquim Ferreira dos Santos, ele fala sobre o amor, claro! Crônicas escritas entre 1959 e 1961. Puro deleite. Poesia em prosa. Um Rio de Janeiro que não existe mais e que ainda amamos. O livro se chama “Benditas Sejam as Moças”, não é adorável?

Por fim, se como eu você gosta de ler entrevistas, sugiro os dois volumes do meu querido Tárik de Souza, grande jornalista de música, mestre na arte de entrevistar.

Ele foi responsável por uma linda coleção na editora 34 de títulos sobre música e, pela Kuarup, agora lança dois volumes do seu “MPBambas”. São transcrições dos encontros feitos para o Canal Brasil no programa comandado por ele. Os nomes vão de Zeca Pagodinho a Wagner Tiso, música para todo gosto. Como os daqui nesta lista. Uma boa companhia para os seus dias de ócio, criativos ou não. Divirta-se!

Ah, tem o meu livro também, “Vozes do Brasil – Entrevistas Reunidas pela Edições Sesc”– que a 29HORAS já indicou aqui. Agora em julho estarei na FLIP, em Paraty, para fazer o lançamento. Quem sabe nos vemos lá!?

579
VISUALIZAÇÕES