O Theatro São Pedro estreia ópera inédita no Brasil: O Caso Makropulos, de Leoš Janáček

O barítono Vinicius Atique, o tenor Eric Herrero e a soprano Eliane Coelho (da esquerda para direita). Fotografia de Heloisa Bortz

Arte, vida eterna e uma complexa disputa judicial que se arrasta por uma década. Sentimentos e situações da vida e das relações humanas, sem os quais de nada adianta a busca pela juventude eterna. Em junho, o Theatro São Pedro – instituição da Secretaria da Cultura e Economia Criativa do Estado sob a gestão da Santa Marcelina Cultura – dá continuidade ao ciclo de obras do compositor tcheco Leoš Janáček, desta vez com a ópera O Caso Makropulos. Uma história permeada por fantasia, mas que faz refletir sobre o real sentido da vida.

A montagem estreia no dia 14 e fica em cartaz até 23 de junho. Ao todo serão cinco récitas, sempre às 20h exceto aos domingos, mais cedo, às 17h. Os ingressos custam de R$ 30 a R$ 80 (inteira) e estão à venda na internet theatrosaopedro.byinti.com e na bilheteria do teatro.

O Caso Makropulos é uma história “que se equilibra na corda bamba entre o real e o fantasmagórico” e “Janáček compôs a música mais áspera que já havia escrito até então”, define o jornalista e crítico musical Lauro Machado Coelho (1944-2018) em seu livro A Ópera Tcheca (Ed. Perspectiva, 2003).

Será a primeira encenação da ópera no País e com essa montagem, o Theatro São Pedro segue com a bem-sucedida proposta de estabelecer um ciclo de obras de Janáček, iniciado no ano passado com a estreia brasileira de Kátia Kabanová.

A direção musical será do maestro Ira Levin (EUA) e a direção cênica de André HellerLopes, que também assina osfigurinos. André e Ira são profundos conhecedores da obra do compositor e repetem a dobradinha de sucesso da montagem de Kátia Kabanová, eleita entre as três melhores óperas de 2018 pelo júri do Guia Folha. A cenografia ficará com Renato Theobaldo, e a iluminação, com Fábio Retti. Ambos, também assinaram a produção do ano passado e Anderson Bueno é o responspavel pelo visagismo.

Janáček compôs a música e escreveu o libreto da ópera com base na comédia de Karel Čapek, um dos mais influentes escritores tchecos e que incorporou à literatura o gênero de ficção científica e a palavra robô (inglês robot), em conjunto com o seu irmão e também escritor Josef Čapek.

A ópera é dividida em três atos e tem a diva lírica Emilia Marty como personagem central, interpretada pela premiada e experiente soprano Eliane Coelho, a mais célebre cantora lírica brasileira dos últimos 50 anos. Marty é, na verdade, a misteriosa Elina Makropulos, que busca reaver a fórmula da juventude eterna criada por seu pai, o alquimista grego Hieronimus Makropulos a pedido do Rei Rudolfo I.

Destacam-se no elenco o tenor Eric Herrero como Albert Gregor; o barítono Vinicius Atique como o advogado Dr. Kolenatý, que defende Albert na causa contra o nobre barão Jaroslav Prus, vivido pelo barítono Michel de Souza. Ele é pai de Janek (o tenor Daniel Umbelino), este apaixonado por Krista, uma aspirante a cantora e interpretada pela mezzo-soprano Luisa Francesconi, que faz uma participação especial.

Os tenores Giovanni Tristacci (Vítek) e Mauro Wrona (Hauk-Sendorf), o baixo Anderson Barbosa (Contrarregra), a contralto Nathalia Serrano (Camareira) e a mezzo-soprano Fernanda Nagashima (Criada), completam o elenco.

André Heller-Lopes já dirigiu óperas nos principais teatros do Brasil e exterior e O Caso Makropulos será a sua quarta produção de Janáček – em outubro, também encena mais um título do compositor, A Raposinha Astuta, em Bogotá, na Colômbia. Entre os seus trabalhos mais recentes estão Kátia Kabanová, no Theatro São Pedro, e Turandot, de Puccini, no Theatro Municipal de São Paulo, em 2018. Ira Levin é mundialmente aclamado pela sua versatilidade musical, já regeu centenas de concertos e montagens líricas, e retorna ao Brasil depois de comandar com sucesso Kátia Kabanová e o programa duplo Pulcinella/Arlecchino (2017) – vencedor do Prêmio CONCERTO na categoria Ópera pelo voto popular –, ambas no Theatro São Pedro.

SERVIÇO

O Caso Makropulos (1925) de Leoš Janáček (1854-1928) Com Orquestra do Theatro São Pedro Récitas: dias 14, 16, 19, 21 e 23 de junho Horários: 20h, exceto domingo, às 17h Local: Theatro São Pedro Endereço: Rua Barra Funda, 161 – Barra Funda, São Paulo/SP Ingressos: R$ 30,00 a R$ 80,00 Plateia central: R$ 80,00 (inteira) e R$ 40,00 (meia) 1º Balcão: R$ 50,00 (inteira) e R$ 25,00 (meia) 2º Balcão: R$ 30,00 (inteira) e R$ 15,00 (meia) Vendas: bilheteria e internet theatrosaopedro.byinti.com Formas de pagamento: Dinheiro e Cartões de Débito e Crédito Classificação indicativa: 12 anos Duração: 2h20 com 2 intervalos Capacidade: 636 lugares Acessibilidade: Sim

126
VISUALIZAÇÕES