Tiago Abravanel brilha no teatro e no Show dos Famosos

No Teatro Santander, onde está em cartaz com “A Pequena Sereia”/ Foto Érico Hiller

 

Ele abre os braços e olha pra cima, sorrindo. Os refletores iluminam seu rosto enquanto as lentes do fotógrafo Érico Hiller capturam o momento. É ali, no palco, entre uma pose e outra, que Tiago Abravanel se sente mais confortável.

“Meu sonho era sair na capa da revista 29HORAS”, foi a primeira coisa que ele declarou antes de começar a sessão de fotos, que aconteceu nos bastidores do Teatro Santander. Frequentador da ponte aérea Rio-SP, Tiago, de 30 anos, hoje se divide entre as duas cidades. Na capital paulista, ele faz o musical “A Pequena Sereia”; já no Rio, participa das gravações do “Show dos Famosos” no programa Domingão do Faustão, na Globo. 

Nesta primeira montagem brasileira do musical da Disney, em cartaz até 29 de julho, o ator vive o animado siri Sebastião, amigo da sereia protagonista Ariel (interpretada por Fabi Bang). Com trajes vermelhos e uma bengala, Tiago dá vida ao personagem que, nessa versão abrasileirada, ganhou um sotaque nordestino.

“Na primeira vez que fui para Nova York, em 2009, eu vi ‘A Pequena Sereia’ e fiquei enlouquecido pelo universo Disney”, conta Tiago, durante a entrevista feita na plateia do teatro. “Então você imagina a minha felicidade quando a Stephanie Mayorkis [da EGG Entretenimento, co-produtora do espetáculo com a IMM] me convidou para fazer o Sebastião… E poder fazer um trabalho desse, com selo Disney, e com uma linguagem e melodia nossas é uma honra muito grande. Eu agradeço todo dia que piso aqui”.

Foto Érico Hiller

Semana sim, semana não, o ator pisa no palco do Santander. Isso porque ele alterna o musical com o reality competitivo “Show dos Famosos”. Nesse programa, Tiago e mais sete artistas fazem performances de cantores icônicos. Para dar conta do recado, Tiago divide o papel de Sebastião com o ator Willian Sancar. 

No programa, que fica no ar até julho, Tiago já encarnou Sidney Magal e a cantora norte-americana Gloria Gaynor. O que parece uma tarefa impossível, para ele é quase natural. “É ligar e desligar uma chavinha, sabe? Quase como uma bipolaridade, tem que mudar tudo. Outro estado de espírito, outra energia, outra voz, outra preparação. No musical a gente ensaiou durante dois meses. Já no ‘Show dos Famosos’ temos uma semana para treinar, sendo que cada fim de semana traz um personagem novo. Então isso requer responsabilidade para fazer tudo da melhor forma”.   

Tiago cresceu dentro do teatro, entre a coxia e os camarins,  acompanhando o trabalho da sua mãe, Cíntia Abravanel, então administradora do Teatro Imprensa. “Brincar no escritório, conhecer os figurinos, ver como funcionava a técnica… Aquilo era um parque de diversões para mim”.

Foto Érico Hiller

Em 2007, ele integrou o elenco do musical “Miss Saigon” e nos anos seguintes atuou no aclamado “Hairspray”, sob direção de Miguel Falabella. Mas a explosão veio mesmo em 2011, quando interpretou Tim Maia no musical “Tim Maia – Vale Tudo”, baseado no livro de Nelson Motta. A interpretação rendeu elogios da crítica, um convite de Glória Perez para atuar na novela “Salve Jorge”, e a oportunidade de se dedicar à sua carreira solo – até hoje, ele se apresenta em todo o Brasil cantando covers e músicas próprias no “Baile do Abrava”.

Uma trajetória que mescla o canto e o teatro, duas paixões do artista. “Até tenho vontade de gravar um álbum, mas não vejo como obrigação. Já fiz três clipes, quatro singles, então de alguma forma comecei algum trabalho na música. Hoje, gravar um álbum requer muita dedicação, como planejar turnês e entrar nas rádios”, ele pondera.

Foto Érico Hiller

Neto de Silvio Santos, ele reflete sobre o fato, que desperta a curiosidade das pessoas. “Quando me perguntam como é ser neto do Silvio Santos, eu respondo que não sei como é não ser neto do Silvio Santos. Sinto muito orgulho e honra de ver tudo o que ele construiu, mas minha relação neto-avô é como qualquer outra”. Segundo Tiago, Silvio é um pouco mais sério do que é na TV, mas nada muito diferente. “Afinal de contas, ali no palco ele é o dono da parada. Na família tem histórias, crises e coisas normais, como toda família tem. E é uma família enorme: são seis filhas, onze netos e três bisnetos, uma loucura”, ele ri.

Se ele se incomoda com as perguntas insistentes sobre Silvio Santos? “Acho que é inevitável, até porque eu sou mesmo neto dele (risos), não tem como. Não me incomoda, mas no começo eu tinha um pouco de medo que as pessoas achassem que eu fosse trilhar a minha vida em cima da carreira dele. Óbvio que sofri certo preconceito, porque havia gente que, antes mesmo de avaliar o meu trabalho, já falava ‘ah, tá ali porque é neto do homem”, ele relembra.

Aos poucos, com muita dedicação e trabalho, Tiago foi sendo reconhecido e requisitado no show business. “E se alguém ainda acredita que ser neto dele faça de fato alguma diferença, que continue acreditando, o problema é dele”, diz o ator, entre gargalhadas.

O bom humor e a simpatia são características fortes de sua personalidade. Isso fica visível não só pela maneira como ele recebeu o time da 29HORAS, mas também no trato com sua equipe, no jeito que ele fala com os funcionários do teatro, sempre com um sorriso que brota fácil no rosto. “A alegria que eu recebo e que eu doo é o que me faz levantar da cama. Em tudo que faço, recebo muita energia boa. Eu aprendo, a cada dia, com cada músico dessa orquestra, com cada funcionário do teatro, com cada pessoa que veio e que comprou o ingresso. Não tem preço você conseguir transformar a vida de alguém e ser transformado. Por mais que eu fique cansado, quando penso que a minha alegria pode fazer a diferença na vida de alguém, o meu cansaço acaba”.

 

29HORAS em SP com Tiago Abravanel

Foto Érico Hiller

 

Manhã

“Eu durmo. O máximo que eu puder. E sem peso na consciência. O sono é o que dá saúde pra gente. Se você não dorme bem, você não vive um dia bem.”

 

Tarde

“Tem um restaurante que eu brinco que é a cozinha da minha casa. É o Planeta’s. De prato tem o filé do Beto: um filé mignon alto na manteiga com arroz, ovo mexido e rúcula. Só de falar me dá água na boca. É um restaurante bem simples, mas delicioso. É da galera do teatro”.

Rua Martinho Prado, 212, Bela Vista, tel. 3256-5330.

 

Noite

“Sempre que eu posso vou ao cinema e ao teatro prestigiar os meus amigos. Não sou aquele cara que faz teatro e não vê. Não, pra mim esse cara não vale a pena: aquele que não prestigia não será prestigiado. Também adoro ficar com os amigos em casa ou na casa de alguém. Para jantar, comida japonesa vai bem. O Naga é um dos lugares”.

Rua Bandeira Paulista, 383, Itaim Bibi, tel. 3167-6049.

 

983
VISUALIZAÇÕES