Uber inova com a chegada da Jump, marca de bikes e scooters elétricas

As bicicletas elétricas Jump, em operação nos Estados Unidos, estão programadas para chegar ao Brasil neste ano

“No futuro, o negócio da Uber será muito mais do que apenas carros”, diz Fábio Sabba, diretor de comunicação da Uber Brasil. Realmente a empresa planeja mover o mundo com diferentes modais. A compra recente, nos Estados Unidos, da startup de compartilhamento de bicicletas elétricas e scooters Jump, aponta para esse objetivo.

A previsão é de que o serviço seja lançado no Brasil (primeiramente em SP) ainda em 2019. “Os dois modais fazem parte do plano da Uber de expandir seus serviços para ajudar as pessoas a ir do ponto A ao ponto B da forma mais acessível, confiável e conveniente possível”, afirma Sabba.

Mas há outras novas, e desta vez nas alturas. Trata-se do projeto Elevate, criado em outubro de 2016. Desde então, estão sendo firmadas parcerias com fabricantes de aeronaves que estão desenvolvendo veículos de pouso e aterrissagem vertical elétricos (VTOLs), popularmente chamados de “carros voadores”. Algumas dessas empresas são a Embraer, a Bell, a Aurora Flight Sciences (agora uma subsidiária da Boeing) e a Pipistrel Aircraft. “Em 2017, ainda anunciamos a intenção de lançar demonstrações de voo do Uber Air em Dallas e em Los Angeles em 2020, e viagens comerciais até 2023.

Para ajudar a criar Skyports, locais de decolagem e pouso para o Uber Air, a Uber também firmou parcerias imobiliárias com a Hillwood Properties e a Sandstone Properties. Ainda no ano passado, a Uber lançou o primeiro vídeo da experiência Uber Air”, revela o executivo. Segundo ele, torna-se essencial hoje desvincular a mobilidade das pessoas da propriedade de um carro.

“O setor de transporte já é a segunda maior fonte de emissões de gases de efeito estufa no Brasil e a principal causa da poluição atmosférica nas cidades. Ao lado de especialistas no assunto, acreditamos que o futuro da mobilidade urbana será compartilhado em vários modos – centrado no transporte público e complementado por bicicletas compartilhadas, serviços sob demanda como Uber e táxis, assim como outras soluções que ainda estão por surgir no ambiente de inovação digital”.

Estão nesse segmento serviços de compartilhamento de viagens como o Uber Juntos, além das novas bicicletas elétricas e scooters Jump. Afinal, ter uma maior variedade de opções ao toque de um botão no celular já representa uma alternativa atraente à predominância do carro particular.

Os números da Uber no Brasil são grandiosos. São mais de 600 mil motoristas parceiros cadastrados, mais de 22 milhões de usuários e a presença em mais de 100 cidades brasileiras. São Paulo é a cidade com o maior número de viagens Uber no mundo. Para reger esse universo tecnológico com eficiência, há um investimento enorme em inovação e em segurança.

Sabba conta que a Uber vai instalar em São Paulo seu primeiro Centro de Desenvolvimento Tecnológico da América Latina, com foco inicialmente em segurança. “Serão até 150 especialistas trabalhando nesse projeto, que receberá investimentos de R$ 250 milhões”.

1253
VISUALIZAÇÕES